Liberdade para a Palestina

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Série "Árvores da Mata Atlântica" - 6: Palmito-Juçara


Ficha Técnica:

Nome científico: Euterpe edulis Mart.
Família: Arecaceae

Características:

· altura: 10 a 20 m
· folhas: alternas, pinadas, perenifólias
· flor: coloração amarelada, numerosa
· fruto: carnoso, de cor preta e com forma arredondada
· maturação: de abril a novembro

Floração: setembro a dezembro
Ocorrência: O palmito ocorre no estrato médio da Floresta Ombrófila Densa, desde o sul da Bahia até o norte do Rio Grande do Sul, com distribuição preferencial ao longo do litoral brasileiro, no domínio Florestal Tropical Atlântica, ocorrendo também na maior parte das formações Estacional Decidual e Semidecidual.

Outras informações:

O principal produto dessa planta é, sem dúvida, a cabeça do estipe, o popularmente conhecido "palmito". O palmito é formado por um tecido embrionário branco (meristema), envolvido pela parte basal e achatada das folhas jovens (bainhas), sendo responsável pelo crescimento da palmeira. Como essa espécie possui estipe único, portanto não forma touceira, a retirada do palmito causa a morte da planta. Geralmente, a coleta do palmito é feita de forma extrativista, com invasão das matas e corte das palmeiras, sem a preocupação de replantá-las.
Essa palmeira, além do palmito, podem ser aproveitadas a parte restante do estipe e as folhas em construções rústicas e fabricação de vassouras. Por sua reconhecida beleza e elegância, essa palmeira pode ser empregada, também, para fins paisagísticos e ornamentais. A exploração predatória para fins alimentícios e a redução da Mata Atlântica ameaçam o palmito-juçara de extinção (PRATICAMENTE TODO PALMITO, COM EXCEÇÃO DA PUPUNHA BACTRIS GASIPAES, QUE CHEGA NA SUA MESA VÊM DA EXTRAÇÃO NA NATUREZA. A EXPLORAÇÃO DO PALMITO NA FLORESTA ATLÂNTICA NÃO É SUSTENTÁVEL. Um dos últimos refúgios para essa espécie de palmeira no interior do estado do Paraná, o Parque Nacional do Iguaçu, vem sendo alvo da extração ilegal de palmito-juçara). Como ela é uma planta de grande valor ecológico, existe uma dependência muito grande entre as espécies vegetais e animais. Se essa palmeira desaparecer, muitas outras espécies também poderão desaparecer, principalmente animais que dependem de seus frutos e mudas para se alimentar, como o macaco bugio, o tucano, o serelepe e o sabiá.
Foto de minha autoria tirada no Jardim Botânico de São Paulo.
Denise

2 comentários:

pedrita disse...

eu gosto das árvores dos palmitos em áreas grandes. em regiões pequenas não gosto da estética. beijos, pedrita

Pedrita disse...

não deixa de ir lá no meu blog, falei de um programa que vi e amei. beijos, pedrita